Poesias CLI-CLXIII do livro 'Os meninos jaguar' de Marcia Theophilo

CLI

milhares de meninos
invadem a cidade
racham o asfalto seus passos
fendem o cimento suas vozes
nas brechas germinam ramos
crescem arvores
espalham-se pelo ar em vôo
nuvens, remoinhos, arco-íris
de pássaros

CLII

crescem as árvores
as palmeiras e o vento
estórias do equador
vermelhos e verdes
bailam intensos
dentro das nossas vísceras o verde

CLIII

o verde
nas unhas que escavam a terra
o verde afunda
em lutas que nunca terminaram
lutas de verde

CLX

crescem as arvores
os seus ramos encompridam
entram pelas janelas
pelas casas
pelas salas
brotam flores voam borboletas
maiores de suas mãos
nas paredes nos muros sobem plantas
cresce grama e erva no chão de cimento
saltam macacos
cantam passarinhos e sapos

CLXI

I Pajurá os chama
imitando o canto deles
Jupicahy com a sua flauta
compõe sons dos mais agudos
soam os apitos
batem forte os tambores,
de dentro da terra
os sons inspiram danças e evoluções

CLXII

o que tinha de estranho
em ver crescer as plantas
voar pássaros e borboletas
em ver dançar animais e crianças
crianças e animais juntos

CLXIII

«que bela festa»
se dizia
«que bela festa»
enquanto a cabeça girava
balançava de um lado para o outro
como se quisesse dizer não
não è somente uma festa

 

Márcia Theóphilo - 1994

poesia de Os meninos jaguarpoesia de Os meninos jaguar
precedente
sucessiva