Poesia "Pitanga" do livro "Kupahúba" de Marcia Theophilo

O amor nasce como raízes
com o ardor intenso do sol: os frutos
odores colhidos no tempo
floresce em janeiro, amadurece
em junho, substância nutritiva
força carnosa, avermelhada
o amor nasce em nossa boca
na língua, entre a saliva
nos distrai dos nossos dramas
olhos vibrantes se derramam
água de coco, pitanga
no monte e nas areias o verde
o amor nasce amplamente
como raízes, grãos de semente
caem ao solo, viscoso, suculento
no mês de dezembro, verde carregado
e chuvas e chuvas
e verdes e depois vermelhos maduros
e grãos novos duros, depois secos
sementes. O amor nasce como raízes.

Márcia Theóphilo, 2000

 

sucessiva precedente sucessiva topo precedente
poesia Maracujápoesia Tamanduá-bandeira
precedente
sucessiva